terça-feira, 14 de abril de 2015

Cowspiracy & Troubled Waters: Documentários que criam questões

A Biosfera do planeta Terra tem tanto de diversa como de fascinante. O Homem, como parte mais desenvolvida dessa mesma biosfera, adquiriu ao longo dos tempos a capacidade de tirar o melhor partido desses recursos a fim de proporcionar a si próprio um quotidiano de qualidade. A questão é que tudo isto vem-se desenrolando há vários anos, e com o desenvolvimento economico-tecnologico e o crescimento populacional à escala global tem igualmente crescido a demanda na exploração dos referidos recursos, o que em certos sectores está a levar a consequências irreversíveis e a limites de esgotamento.

Com o agravamento desta situação são várias a vozes ligadas à Ciência que se têm levantado numa tentativa de alertar para as consequências que os nossos actos estão a despoletar.

No final do ano transacto assistimos ao lançamento do controverso documentário "Cowspiracy" retratando a pegada ecológica da agricultura animal. Já em 2015, ainda não tão famoso, assistiu-se ao nascimento de "Troubled Waters" que vem de certa forma complementar o retrato iniciado pelo "Cowspiracy" mas sendo mais direccionado para a actividade pesqueira e a sua sobre-exploração.




Será que podemos continuar a explorar os nossos recursos sem alterar a biosfera irreversivelmente?

Pessoalmente, uma das maiores lições que retirei do documentário "Cowspiracy", renovando um ideal que já defendia, passa pela necessidade de desenvolver consciência crítica, fazer questões, não engolir e aceitar tudo o que nos é dado.
Será que a solução passa por mudar os nossos hábitos alimentares? Por sermos vegetarianos?

São pontos subjectivos e que originam certamente muita discussão, o facto é que todos os seres-vivos estão cá por um motivo e exercem uma função crucial no bom funcionamento da vida do planeta. 

A solução passará certamente por o Homem aproveitar essa grande vantagem que tem sobre todas as espécies de ser mais evoluído cognitivamente e desenvolver estratégias de consumo racional a fim de diminuir o impacte ambiental, não tendo necessariamente de retirar qualidade de vida à população. 

Pois olhando em volta, denota-se que é a lei da vida dependermos uns dos outros, os animais alimentarem-se uns dos outros. Mas já que fomos presenteados com um cérebro desenvolvido, que tal dar-mos lhe uma boa utilidade e pensar nos/pelos outros?


(link Troubled Waters: https://www.youtube.com/watch?v=YACTNvuijQY)



Sem comentários:

Enviar um comentário