quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

sem-abrigo sujeito a termo de identidade e residência #JustiçaPortuguesa

Este episódio já conta com alguns meses de idade, mas não deixa de ter o seu encanto e nada melhor para abrir as hostilidades do novo ano do que analisar mais uma fábula da justiça portuguesa.

Um cidadão de 33 anos foi detido em Lisboa por suspeita de furto. Consequentemente presente a tribunal o senhor que é sem-abrigo foi então constituído arguido e com termo de identidade e residência. Piada de mau gosto? Não, é mesmo a justiça portuguesa.



Creio que deve ter sido posteriormente acompanhado de volta "a casa" por um agente da autoridade que lhe terá informado «Ora bem, o senhor reside nesta valeta pelo que não poderá mudar de residência ou dela se ausentar por mais de 5 dias sem informar o novo local da mesma ou lugar onde possa ser encontrado». 
Ao que o arguido terá comunicado alguns dias depois «Cara Polícia Judiciária, passo a informar que alterei o meu local de residência para o hall de entrada do centro comercial ao lado da minha anterior moradia, visto que a renda é a mesma e assim fico mais resguardado do Inverno rigoroso que se tem feito sentir. Atenciosamente, o sem-abrigo trancado em casa.»

3 comentários:

  1. O intuito é esse, mas se se refere à história, a situação retratada nos dois primeiros parágrafos é bem verdade segundo notícia publicada no Diário de Notícias :)

    ResponderEliminar
  2. Olá, parabéns pelo blog está fantástico!
    Se puder visite o meu blog e se gostar segue :)
    Beijinhos

    http://queenssecret-anaaraujo.blogspot.pt/

    ResponderEliminar