segunda-feira, 23 de junho de 2014

O poder dos olhos azuis

Vamos lá tirar um homicida (?) da prisão porque ele tem olhos azuis!



Que vivemos num mundo triste já não é novidade para ninguém,  já dizia Einstein que existiam duas coisas infinitas: o universo e a estupidez humana; mas julguei que as amostras de estupidez fossem diminuindo ao longo dos anos visto que o mundo evolui, evolução essa que deveria ser acompanhada pela mentalidade das pessoas.

Recentemente o nosso Portugal presenteou-nos com uma situação semelhante, quando Manuel Palito, individuo que num acto de grande compaixão somente matou uma tia e a sogra, ferindo ainda a filha e a mulher, andou fugido à polícia por vários dias, foi então recebido com aplausos à chegada ao tribunal quando finalmente foi detido.
A semana passada nos EUA foi detido por posse de armas e drogas e suspeita de ligação a um gang, um jovem  de nome Jeremy Meeks imediatamente apelidado pelo sexo feminino de “criminoso sexy”.
Ainda se podiam tolerar os irritantes comentários nas redes sociais do género “só não me saem a mim estes criminosos”, ou “casava-me já” ou mesmo “eu é que o prendia” e por aí fora… o grave problema surge quando após a criação de uma página a favor da sua liberação que conta já com quase 180 mil likes começou a juntar donativos por parte dos(as) fãs, que terão já ultrapassado os 3000€.

Vamos chamar a Leopoldina para realizar mais uma campanha para apoiar esta nobre casa, nada inferior à missão sorriso, para tirar-mos da prisão um dos criminosos mais violentos na área de Stockton (descrição da Polícia local) porque ele é moreno e tem olhos azuis. Descansa Em Paz lógica!

De calculadora na mão, para variar

Temos de ver as coisas pelo lado positivo:

Pronto, não há lado positivo... pelo menos para nós, eles estão a passar umas belas férias à pala do dinheiro do povo português.



Apesar de tudo temos apresentado regularidade, nomeadamente nas baixas. Sempre 2 jogadores lesionados por partida e mais um durante os treinos semanais. O preparador físico deve perceber tanto da matéria como o Paulo Fonseca de geografia. Por falar em falta de competências infelizmente o tema arbitragem volta ou à baila. Com estes senhores do apito este mundial dava um filme: "Ensaio sobre a cegueira". 
Chamem lá o Pauleta outra vez, certamente que correria mais que o Postiga e o Hugo Almeida, nem que se tivesse de pintar a bola de forma a parecer um queijo Terra Nostra. 
Obviamente a jogar em Manaus, no coração da Amazónia, Paulo Bento decidiu a ajudar a natureza combatendo a desflorestação, colocou em campo um pinheiro carinhosamente apadrinhado e denominado de Éder. As bolas, de vez em quando, tabelavam nele mas, infelizmente, não resvalaram na direcção da baliza. A sorte também não esteve do nosso lado...
Tal como para as dívidas financeiras, precisamos agora de ajuda externa no futebol também e logo da Alemanha.
Será que não dá para resolver a crise futebolística da mesma maneira económica? Um FMI que nos empreste tipo um Bale que está em casa sem fazer nada, no final devolvia-se e pode levar o Postiga que ele precisa de descansar claramente. 

Agora é ir com Ganas para o último jogo e ligar ao Scolari para rezar por nós à Nossa Senhora do Caravaggio.

terça-feira, 17 de junho de 2014

Mundial 2014: #fomostodosroubados

Portugal sofreu um rude golpe na entrada no Mundial do Brasil. Estavam todas as condições reunidas para que fosse um jogo bem sucedido para Portugal: Ronaldo a 100%, o Paulo Bento já sem risco ao meio, jogadores a transpirar mais no túnel de acesso ao relvado do que em jogos que outrora haviam feito, um camelo que tinha comido uma coisa qualquer que tinha uma folha com a bandeira de Portugal lá impressa... enfim, Portugal era daquelas equipas que nascem com o rabinho voltado para a lua e têm a vidinha toda feita.



Começamos desde cedo a mostrar quem mandava dentro de campo, dois remates perigosos logo a abrir, Rui Patrício a fazer passes milimétricos para golo (desprezando o pequeno pormenor que foi para um adversário), etc; 
Como já estavam à rasca tiveram de recorrer ao penalty da praxe. Viu-se de imediato que foi forçado, onde é que o João Pereira que nem força tem para chutar uma bola para o meio da área, teria força para com um braço atirar um jogador ao chão? Enfim. 
Logo de seguida Hugo Almeida sai lesionado, estava a sentir-se o destino a indicar a reviravolta de Portugal. Mas foi mais uma desilusão, já nada estava a fazer sentido.
Entretanto houve lá mais um golito para os alemães de bola parada, mas Portugal não baixava os braços. Na sequência de um golpe de teatro Pepe foi expulso, ou seja, apesar das adversidades os jogadores não estavam a perder a sua identidade. Tirando Bruno Alves que na jogada do golo ao invés de pontapear a bola e Muller para a bancada apenas encostou o pé à bola para fazer um corte normal e assim o adversário ganhou o ressalto, não se compreende.

Não estava fácil, para além dos alemães, o turco Özil estava numa tarde inspirada, o tunisino Khedira muito acertivo no meio campo, o ganês Boateng na marcação cerrada ao CR7 e para piorar ainda foi a jogo o Polaco Podolski. A jogar contra 5 selecções torna-se complicado...
E como diz o ditado "não há cinco, sem seis" para além das 5 equipas que estávamos a defrontar, ainda tivemos que duelar com a de arbitragem que com a humidade ficou com as lentes embaciadas e não viu, dentro da área, a tentativa de homicídio sobre o nosso Éder.

Já nada havia a fazer e no fim foi a Merkel. Mas não podemos perder as esperança, as probabilidades ficaram mais reduzidas mas este mundial está repleto de situações inesperadas. Como aquele fisioterapeuta da Inglaterra que se lesionou durante o jogo, há muita influência para além dos jogadores, o futebol está mudado.
É esperar que o roupeiro dos EUA sofra uma mialgia, eles se atrasem a encontrar os equipamentos e ganhemos 3-0 por falta de comparência.  

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Mundial 2014: Pontapé de saída

Neste momento está a chegar ao fim o dia 2 do Mundial do Brasil e já fez correr mais tinta em 3 jogos que no equivalente a cerca de 10 edições da Color Run, dizem os estudos da companhia Fictitious Statistics Co.

"A continuar assim será um circo" disse Niko Kovac (Seleccionador da Croácia) no final do jogo inaugural. 
E até ao momento parece que está a decorrer um verdadeiro espetáculo circense: depois do jogo de abertura, hoje no México-Camarões também pudemos contar com divertidas palhaçadas e ao final do dia no Holanda 5 - 1 Espanha deparamo-nos com um bonito espetáculo protagonizado pelo famoso motociclista holandês Arjen Robben que levou ao delírio os espectadores com o seu freestyle fazendo grandes acelerações e contornando mecos que se encontravam no recinto; por outro lado, Casillas não se deu tão bem nos seus malabarismos pois deixou escapar algumas bolas, conseguindo ainda assim arrancar algumas gargalhadas do público presente.



Para quem duvidava da capacidade do Brasil e da FIFA para organizar eventos deste calibre está agora com dúvidas desfeitas, pois estão claramente na vanguarda no que ao entretenimento diz respeito.